Botânica – Angiospermas: Aspectos Gerais

Angiospermas: Aspectos Gerais

Agora que já vimos as particularidades das estruturas e mecanismos das angiospermas juntaremos tudo para analisarmos as características gerais do grupo.

O termo “angiosperma” significa “urna com sementes” e é uma referência à presença dos frutos, que guardam as sementes. As angiospermas também podem ser chamadas de antófitas, que significa planta com flores.

Elas são plantas vasculares, que possuem raiz, caule, folha, semente, frutas e flores e são as plantas com maior número de espécies catalogadas.

O ciclo reprodutivo de uma angiosperma é do tipo metagênese ou alternância de gerações. Nesse caso o esporófito (2n) é desenvolvido, sendo ele a planta propriamente dita e o gametófito (n) é reduzido, sendo o gametófito masculino o grão de pólen. Em relação aos esporos, aqui também existe heterosporia.

Os microsporângios localizam-se na antera e produzem micrósporo (n) por meiose, que vão sofrer mitoses e originarão um grão de pólen (gametófito masculino jovem) binucleado (com dois núcleos).

O megasporângio é o óvulo maduro, onde ocorre a produção de megásporos (n) por meiose. Na verdade são formadas 4 células, 3 delas se degeneram e apenas uma permanece, sendo essa o megásporo, o qual sofre mitoses até gerar 7 células: 2 sinérgides, 3 antípodas, 1 oosfera (gameta feminino) e um mesocisto dotado de dois núcleos polares.

A fecundação ocorre quando o grão de pólen e chega ao estigma e desenvolve-se em tubo polínico. O núcleo vegetativo do grão de pólen é responsável pelo crescimento do tubo polínico e o outro núcleo sofre mitose originando dois núcleos gaméticos ou espermáticos, que são os gametas masculinos.

O tubo polínico encontra o óvulo e libera seus núcleos gaméticos, ocorrendo uma dupla fecundação em que um núcleo gamético une-se à oosfera formando um zigoto (2n) e o outro se une aos núcleos polares formando uma célula triploide (3n) que sofrerá mitoses e originará o endosperma (3n) que é o tecido de reserva da semente.

As angiospermas são divididas em dois grupos: monocotiledôneas e dicotiledôneas.

As monocotiledôneas, como o nome já sugere, apresentam apenas um cotilédone. Além disso possuem raiz fasciculada ou em cabeleira, feixes liberolenhosos (vasos condutores) difusos, nervuras paralelas e flores trímeras (número de verticilos em múltiplos de 3). Exemplos: Bananeira, cana de açúcar,

As dicotiledôneas possuem dois cotilédones, raiz pivotante ou axial (possui uma estrutura central) feixes liberolenhosos regulares (organizados), nervuras reticulares e flores pentâmeras (5x) ou tetrâmeras (4x). Ex:

Beatriz tem 19 anos e está em busca de uma vaga no curso de Medicina. Luta por uma Educação de qualidade mais acessível a todos e é por isso que se tornou Colunista de Biologia no EducaHelp.
COMPARTILHE!

Beatriz Silva

Beatriz tem 19 anos e está em busca de uma vaga no curso de Medicina. Luta por uma Educação de qualidade mais acessível a todos e é por isso que se tornou Colunista de Biologia no EducaHelp.

Gostou? Deixe uma resposta!