Ciclos Biogeoquímicos

Hoje trataremos dos principais ciclos biogeoquímicos encontrados na natureza e os que mais caem nos vestibulares. Ouso dizer que o enem adora esse tema, então fiquem ligados e não esqueçam de revisar a matéria perto das provas!

CICLO DA ÁGUA (HIDROLÓGICO)

Tendo em vista que cerca de 70% da superfície terrestre é formada por água, podemos perceber como esse ciclo é importante.
A distribuição volumétrica da água é dada da seguinte forma:

  • 97% da água disponível está nos oceanos;
  • 2% está sob a forma de neve e gelo;
  • 0,5% está presente no solo, lagos e rios;
  • 0,001% sob a forma de vapor;
    Dos quais 70% da água doce encontra-se na forma de neve ou gelo.

Apesar de extremamente importante, o ciclo hidrológico é bem simples

Parte da água sofre evaporação. O vapor sofre condensação, o que causa a precipitação dessa água sobre solos e oceanos e o ciclo é reiniciado.
Através da ingestão de água e da devolução desta para o meio pelos processos metabólicos, como excreção e transpiração, os seres vivos também participam do ciclo da água

CICLO DO CARBONO

Apesar de ter fama de ruim, o carbono é um elemento essencial para a vida.
O ciclo do carbono inicia-se pela absorção do gás carbono pelas plantas através do processo de fotossíntese. Parte desse carbono é liberado para a atmosfera e parte é utilizado na produção de glicose. Quando os animais comem as plantas eles também ingerem carbono, o qual é liberado pela respiração e também pela decomposição. Os decompositores, como bactérias e fungos, ingerem parte do carbono e o libera para o solo e atmosfera.
Os combustíveis também fazem parte do ciclo do carbono. Os combustíveis fósseis, como o carvão mineral e o petróleo são originados de organismos que viveram há muuuuuito tempo atrás, os quais possuíam carbono anexados em sua estrutura. Os biocombustíveis são originados da biomassa de organismos atuais. A queima de combustíveis libera para a atmosfera o carbono que estava “preso” aos combustíveis.
Os oceanos também participam do ciclo do carbono com o processo de difusão, em que o carbono é absorvido quando a temperatura está baixa e liberado quando está alta.


Vale ressaltar que o efeito estufa é um processo natural e indispensável para a vida no planeta, sendo o responsável por evitar que a temperatura da Terra seja muito baixa. O que acontece é que após a revolução industrial houve um aumento acentuado no consumo de combustíveis como petróleo e gás natural e aumento das queimadas, o que, consequentemente, aumenta a liberação de gás carbônico na atmosfera e intensifica o efeito estufa, causando o aquecimento global.
Ainda existem estudos para analisar se a ação antropológica realmente afeta o ciclo do carbono ou não.

CICLO DO NITROGÊNIO

O ciclo do nitrogênio pode parecer assustador mas dividiremos ele para fins didáticos.
Primeiramente precisamos saber que o nitrogênio encontra-se na natureza na forma inorgânica, como amônia, gás nitrogênio e nitrato e na forma orgânica como aminoácidos e bases nitrogenadas. O nitrogênio é um elemento químico pouco reativo e não é metabolizado pela maioria dos seres vivos. Além disso, o gás nitrogênio (N2) constitui cerca de 78% da atmosfera.

Produtores sintetizam substâncias nitrogenadas orgânicas a partir de compostos inorgânicos retirados do ambiente como amônia (NH3), nitrito (NO2) e nitrato (NO3)
Os animais obtém substâncias nitrogenadas orgânicas através da nutrição. A amônia é uma excreta nitrogenada resultante do metabolismo celular.

Agora vamos definir alguns conceitos e depois organiza-los

  • Amonificação: produção de amônia (NH3) a partir da decomposição. A amônia fica disponível no solo e tem basicamente dois finais: ser utilizada pelos produtores na síntese de compostos nitrogenadas e ser utilizada na nitrificação.
  • Nitrificação: conversão da amônia (NH3) em nitrato (NO3) por bactérias nitrificantes.
  • Desnitrificação: processo realizado por bactérias desnitrificantes em que o nitrato (NO3) é convertido em gás nitrogênio (N2).
  • Fixação: O gás nitrogênio (N2) não é utilizado no metabolismo dos seres vivos, por isso é preciso que bactérias fixadoras de nitrogênio realizem sua fixação, convertendo-o em amônia (NH3).  As bactérias fixadoras de nitrogênio podem ser cianobactérias e outras, como os rizóbios, que vivem associados às raízes de leguminosas. Por isso, plantar leguminosas juntamente com outras variedades de plantas é vantajoso e damos a isso o nome de adubação verde.
  • Fixação atmosférica: é quando ocorre uma reação entre o gás oxigênio (O2) e o gás nitrogênio (N2) com a presença de energia, como quando por exemplo há raios ou faíscas elétricas, formando o nitrato (NO3) que é levado para o solo pela chuva.
  • Fixação industrial (síntese de Harber-Bosch): é a formação de amônia (NH3) a partir de gás hidrogênio e gás nitrogênio (N2) submetidos a alta temperatura (450ºC) e alta pressão (200 atm).

Semana que vem teremos uma lista de exercícios com algumas resoluções comentadas para colocarmos em prática o conhecimento adquirido com as últimas postagens, então preparem o lápis e a borracha (afinal, é errando que se aprende, certo?).

Beatriz tem 19 anos e está em busca de uma vaga no curso de Medicina. Luta por uma Educação de qualidade mais acessível a todos e é por isso que se tornou Colunista de Biologia no EducaHelp.
COMPARTILHE!

Beatriz Silva

Beatriz tem 19 anos e está em busca de uma vaga no curso de Medicina. Luta por uma Educação de qualidade mais acessível a todos e é por isso que se tornou Colunista de Biologia no EducaHelp.

3 comentários em “Ciclos Biogeoquímicos

Gostou? Deixe uma resposta!