Da “terra santa” ao movimento sionista

A disputa pela região da Palestina é histórico e para compreender o contínuo conflito entre Israel e Palestina é preciso resgatar na história a importância da região e o movimento sionista.

A “terra santa”, a Diáspora judaica e a força do movimento sionista.

A Palestina é uma região historicamente ocupada por conta da sua localização. A região foi disputada desde a Antiguidade por diferentes povos:

  • -Hebreus;
  • -Filisteus,
  • -Macedônios,
  • -Persas,
  • -Romanos,
  • -Árabes;
  • -Turcos-otomanos.

 

Os judeus foram expulsos pelos romanos no século 3 d.C promovendo a diáspora judaica. A região passa a ser ocupada pelos árabes e islâmicos no fim do século VII.  Essa disputa histórica na região destaca a importância da Palestina.

De 1516 a 1917 a região foi dominada pelo império Turco-Otomano composta por árabes. Com o final da Primeira Guerra Mundial (1918), o império Turco-Otomano foi desfragmentado e a região em questão foi ocupada pela Grã-Bretanha, mantendo os árabes na região.

A Grã-Bretanha torna a região um protetorado entre 1918 até 1948. No ano de 1948, a Grã Bretanha desocupa a região por de acordo com a Partilha da Palestina, abrindo a possibilidade da criação do Estado judeu.

A Palestina é histórica tanto para os palestinos como para os judeus. Edward Said (2012, p.11) afirma “a Palestina sempre teve um papel especial na imaginação e na vontade política do Ocidente, que é também onde, por comum acordo (Plano da Partilha e criação do Estado de Israel), o sionismo se originou. A Palestina é um lugar das causas e das peregrinações. Foi o prêmio das Cruzadas, assim como o lugar cujo próprio nome (e sua infinita renomeação histórica) tem uma importância doutrinária”.

A tabela abaixo apresenta dados estimados sobre a população judaica e não-judaica.

Judeus Não-judeu* Total
1914** 60.000 629.272 689.272
1922** 83.794 590.890 758.478
1931 174.606 858.708 1.033.314
1936 384.078 982.614 1.366.692
1946 608.225 1.303.887 1.912.112
* Relaciona os povos na região não correspondente aos judeus, sendo os árabes e demais povos. Entre 1918 a 1948 a população da Grã-Bretanha que ocupava a Palestina é contabilizada nesse grupo.

** Censo Britânico na Palestina em Said (2012)

*** Said (2012)

Movimento sionista

No século XIX Theodor Herzl, escritor australiano judeu, cria o movimento sionista. O sionismo foi um movimento político e religioso que lutava pelo retorno do judeu na região da “terra prometida” (Palestina).

Através do sionismo, os judeus aos poucos retornaram pacificamente para a Palestina. Na Segunda Guerra Mundial um grande contingente de judeus retornaram para a Palestina, fugindo da perseguição dos nazistas e o holocausto judeu. Nesse momento na Palestina é originado as desavenças dos judeus com os palestinos.

Para Edward Said (2012) o sionismo foi tomado como responsável pelo aumento de judeus se mudando para a Palestina e posteriormente pela criação do Estado de Israel. Ainda com Said (2012) discordar do sionismo é como se fosse defender o antissemitismo (hostilidade contra judeu) e a criação do Estado judeu seria inevitável.

O tema ada criação do Estado de Israel será explicado no texto “A Partilha e a criação do Estado de Israel”.

Referências bibliográficas e consultadas 

Livros didáticos sobre o conflito (Objetivo e Anglo);

SAID, Edward. A questão da Palestina. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

Graduado e mestre em Geografia pela Unesp, campus de Presidente Prudente (SP). É atualmente professor de geografia em escolas particulares e públicas e professor de geopolítica em cursinho preparatório para vestibular. Escreve no Geografia no Vestibular e no Educa Help.
COMPARTILHE!

Leandro Nieves

Graduado e mestre em Geografia pela Unesp, campus de Presidente Prudente (SP). É atualmente professor de geografia em escolas particulares e públicas e professor de geopolítica em cursinho preparatório para vestibular. Escreve no Geografia no Vestibular e no Educa Help.

Gostou? Deixe uma resposta!